EXTRAINDO SIGNIFICADOS: ÁLIBI - DJAVAN/MARIA BETHÂNIA


A canção “Álibi” foi escrita pelo cantor e compositor alagoano Djavan. A música faz parte do álbum “Cara de índio” de 1978. Nessa mesma época, “Álibi” foi regravada pela cantora baiana Maria Bethânia, no álbum que recebeu o mesmo nome de “Álibi”. Sendo este o primeiro álbum na história da música brasileira, que por uma intérprete feminina ultrapassou um milhão de cópias.

De maneira geral, a música fala basicamente de amor. Traz uma mensagem de angústia perante o possível fim de um relacionamento que se mostrou decepcionante para o eu lírico da canção. Seria a exposição de sentimentos que aos poucos, foram se transformando em mágoa, demonstrando um anseio em forma de aflição.

Havia mais que um desejo, a força do beijo, por mais que vadia, não sacia mais

Na primeira estrofe, percebemos um sentimento de decepção por parte do eu lírico. Porém, ele não está falando especificamente de si, mas de uma pessoa na qual ele mantinha um relacionamento, esse que se demostrou não ser totalmente verdadeiro por parte dessa pessoa. É como se ele dissesse que tal sujeito não sente mais o mesmo ardor que existia no começo do relacionamento, que mesmo que os beijos e os momentos de prazer os mantivessem deslumbrados (por mais que vadia), agora já não são mais suficientes para sustentar a paixão (não sacia mais).

Meus olhos lacrimejam teu corpo exposto à mentira

Aqui, o eu lírico está realmente falando de si, demonstrando seu profundo sentimento de desilusão. Ele expõe sua tristeza em estar com uma pessoa que ele ama muito (meus olhos lacrimejam teu corpo), porém sabe que seu sentimento não é correspondido da mesma forma (exposto à mentira), ou seja, mesmo estando com essa pessoa, o eu lírico é ciente de que seu relacionamento se aproxima de um final e é justamente por isso é que ele chora sua dor.

Do calor da ira, do afã de um desejo, que não contraíra

Ao mesmo tempo em que o eu lírico ama essa pessoa, ele mostra nessa parte que está realmente magoado (do calor da ira), por a pessoa que ele achou ser sua verdadeira paixão ter o enlaçado em um caso de mentiras. Isso fica evidente no momento que ele fala que ela se mostrou farta e exausta do amor que ele deu (do afã de um desejo). Ao passo que o relacionamento seguiu, apenas ele se entregou de corpo e alma a paixão, enquanto ela viveu um desejo que aos poucos foi se tornando exíguo (que não contraíra).

Obs. 01: Afã - exaustão, cansaço, fadiga.

No amor, a tortura está por um triz, mas a gente atura e até se mostra feliz

O eu lírico se mostra o tipo de pessoa madura o suficiente para entender as contradições do amor, sabe que os relacionamentos são coisas delicadas que podem levar o indivíduo apaixonado do céu ao inferno, basta ter ou não, os seus desejos realizados (no amor, a tortura está por um triz). Ele sabe que mesmo frustrado, só se vive realmente feliz quando se tem coragem de se entregar aos devaneios do amor e assumir o peso do imprevisível (mas a gente atura e até se mostra feliz).

Quando se tem o álibi de ter nascido ávido e convivido inválido, mesmo sem ter havido

Por fim, o eu lírico ratifica ser alguém experiente no jogo do amor, que mesmo frustrado com o caso específico, ele sabe que deve seguir e reerguer-se. Mesmo sofrendo com desenganos amorosos e convivido com um sentimento não correspondido (convivido inválido), ele está em paz consigo mesmo pelo fato de se sentir livre da culpa de não ser covarde e fraco, pois ele é do tipo de pessoa que busca viver o verdadeiro amor e se entrega intensamente as paixões (quando se tem o álibi de ter nascido ávido).

Obs. 02: Álibi - prova ou testemunho que tem como objetivo justificar, defender e comprovar a inocência de alguém, livrando-o da culpa.

Obs. 03: Ávido - que espera ansiosamente pela realização de alguma coisa.

“Mesmo sem ter havido” faz alusão direta ao fato de que mais uma vez ele não encontrou seu verdadeiro amor. Não houve a realização plena da felicidade, no entanto, é preciso aceitar o desengano, aprender com a decepção e seguir sonhando com um novo e verdadeiro romance.

Inscreva-se no canal do blog: http://bit.ly/2uO3Fbe
Segue também no Insta: @abstra_pensa ou http://bit.ly/2vNZWrk
Passa na página do Facebook: https://www.facebook.com/abstrapensa


5 comentários:

  1. Por fim, o autor deste blog divagou, resumiu e dissertou com louvor. Nota 10!!! O complicado é o empate entre Djavan e Bethânia, rs. Valeu, Djane! Aguarde os próximos pedidos,rs.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Feliz que tenha atendido as suas expectativas. Realmente é um empate bem saudável rs. Sim, vamos analisar músicas 0/

      Excluir
  2. Essa versão da Bethânia é apaixonante.

    ResponderExcluir
  3. Demais! A música em si é muito linda, mas Maria deixa tudo ainda mais fantástico.

    ResponderExcluir

Tecnologia do Blogger.