EXTRAINDO SIGNIFICADOS: TÁ BOM - LOS HERMANOS



"Tá Bom" é a terceira faixa do álbum "Ventura" da banda carioca Los Hermanos. O álbum foi lançado no ano de 2003.

Pense na seguinte situação: Dois homens sentados em um boteco, tomando uma cerveja, falando da vida, de mulheres e das desventuras do amor!

Pois bem, “Tá Bom” representaria mais ou menos a situação acima, não especificamente pelo ambiente citado, mas pelo possível assunto em questão. Eu diria que em linhas gerais, a letra remete-se a uma conversa contundente entre dois amigos. Nessa conversa, uma das pessoas está falando firmemente em tom de aconselhamento para a outra.

Mas pra aliviar a sugestividade de suas mentes, eu passo a palavra - assim de cara - para o nosso amigo Rodrigo Amarante Castro Neves, um dos integrantes e compositores da banda.

“Quando escrevo (falo por mim) tenho a impressão mais de estar tentando materializar nas palavras e na música uma coisa que já está em minha memória. É como cristalizar um pensamento transformando-o em palavras. Dessa forma, coisas da vida aparecem nas músicas, mas nem sempre de forma literal ou objetiva. Não é o caso de Do Sétimo Andar que é das músicas mais ficcionais que eu já fiz, mas é o caso de Tá Bom”.

Senta aqui que hoje eu quero te falar, não tem mistério não, é só teu coração que não te deixa amar

É nítido que a música trata de um diálogo, no entanto, ela está restrita a fala de um único personagem. Que é o rapaz que tenta guiar seu amigo em direção as melhores escolhas diante da complexidade de um relacionamento.

A música já começa com o eu lírico falando de forma curta e grossa, sem desvios e indo direto ao ponto. O rapaz quer logo deixar claro que pretende ser direto no que vai dizer, ele parece cansado de ver seu amigo sofrer com seus atos e contradições.

O rapaz conselheiro é aquele tipo de pessoa que muitas vezes tem a própria vida bagunçada, mas na hora que um amigo tem um problema ele se transforma em um Freud da vida (quem não é assim, ou tem um amigo que é, me atire a primeira pedra).

“é só teu coração que não te deixa amar” faz uma referência às características atribuídas ao rapaz ouvinte. É como se o eu lírico estivesse dizendo que muitas pessoas têm problemas semelhantes ao que seu amigo está passando, contudo, resolvem de forma natural e sem ter que criar situações complicadas e adversas. Em outras palavras, a culpa é somente dele que não sabe situar-se corretamente em um relacionamento. Não sabe amar.

Você precisa reagir, não se entregar assim como quem nada quer

Nessa parte, o eu lírico está falando para o seu amigo ouvinte que ele não pode pular as etapas de um relacionamento. Que se ele pretende conquistar a confiança de alguém que ele gosta, ele não deve tratar o amor como algo simples e banal. Agir como um indivíduo que aparenta não ligar para o rumo que possa seguir o viver.

Não há mulher irmão, que goste dessa vida, ela não quer viver as coisas por você

O interlocutor é o tipo de homem que tem um coração fechado para o amor, possui muito medo de sofrer, então ele só mantem relacionamentos casuais, não tem coragem de assumir de fato o peso de se entregar verdadeiramente a alguém. Diante disso, é possível entender por que ele está só. Nenhuma mulher aguenta ficar com um cara que não quer nada sério, se relacionar sem se apegar.

Em um relacionamento é preciso existir um equilíbrio entre as partes. Quando o sentimento não está equilibrado na balança do amor, nada dá certo. Se um lado pesar mais que o outro, o equilíbrio rompe-se e a balança vai ao chão (ela não quer viver as coisas por você).

Me diz cadê você aí? E aí, não há sequer um par pra dividir

Possivelmente, o personagem que está sendo submetido ao aconselhamento estava gostando verdadeiramente de um alguém, no entanto, o seu jeito complexo e imaturo de agir nos relacionamentos fez com que esse possível vínculo não tivesse sequência.

A pergunta feita pelo eu lírico contém certo tom de sarcasmo. Como se ele quisesse perguntar o seguinte: Como você pode se queixar de ter recebido o desprezo de alguém, se nem ao menos você teve a decência de assumir a paixão? Não existem motivos para lamentar, logo o rapaz nem sequer chegou a assumir um relacionamento verdadeiro.

Senta aqui espera que eu não terminei, pra onde é que você foi que eu não te vejo mais?

Nesse momento, o rapaz audiente deve ter se estressado pelo tom irônico de seu amigo. Sua insatisfação com as palavras pode ter surgido pelo fato de que escutar certas verdades doem mais que um golpe físico.

Mas para aliviar o clima um pouco mais fervoroso da situação, o rapaz conselheiro retoma o diálogo em uma fala com tom de preocupação. Ele pretende sinceramente ajudar seu amigo com suas palavras.

Não há ninguém capaz de ser isso que você quer, vencer a luta vã e ser o campeão

O ato de o rapaz tratar os seus casos amorosos de forma trivial acaba por fazer da sua insistente luta para não se entregar a nenhum amor, algo inane, uma luta que se torna vã.

Afinal, ele só está conseguindo viver casos superficiais e afastar as poucas pessoas que ele sente um sentimento de paixão sincero.

O rapaz tem medo de se machucar e sofrer, ele é de certa forma um covarde. E com toda sua covardia não será capaz de encontrar alguém que queira tentar ganhar a luta de ter algo sério com ele, a não ser que ela mude o seu modo de pensar e principalmente a direção de suas atitudes.

Pois se é no “não” que se descobre de verdade o que te sobra além das coisas casuais

Talvez agora, depois de ter sido rejeitado por um alguém que ele estava verdadeiramente sentindo um sentimento autêntico, ele perceba que esse seu viver casual só o levará a decepção. Que no fundo o verdadeiro amor é o que supre os devaneios da alma humana, os relacionamentos usuais só levam o ser a um estado temporário de satisfação, curam temporariamente a carência, mas não sanam a dor de amor da solidão.

Me diz se assim está em paz? Achando que sofrer é amar demais

Por fim o amigo eu lírico da canção termina sua explanação questionando se seu amigo realmente é feliz vivendo dessa maneira banal. Se essas suas ações o fazem dormir tranquilo e se o medo de amar vale realmente o preço da ausência um sentimento verdadeiro.

Obs. 01: Em toda a cação é possível perceber do rapaz coadjuvante (o ouvinte), um tom de niilismo. Para quem não sabe do que se trata tal conceito eu explico:

Niilismo é uma doutrina filosófica que indica um pessimismo e ceticismo extremos perante qualquer situação ou realidade possível. Consiste na negação de todos os princípios religiosos, políticos e sociais.

Pra mais informações:

8 comentários:

  1. Muito bom a explicação! Parabens! Adoro essas explicações de músicas.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado meu amigo. Eu também adoro, por isso resolvi fazer as minhas próprias. Abraços.

      Excluir
  2. Me parece que o título da música "tá bom" seria a resposta do interlocutor aos conselhos de seu amigo. Logo parece que o interlocutor não possui interesse em seguir tais conselhos e possivelmente sempre será a pessoa infeliz que aparenta ser na canção.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Bem pensado. Não parei pra imaginar essa situação. Obrigado por agregar valor a análise.

      Excluir
  3. Adorei!! amo LOS HERMANOS S2!!
    Tenho um trecho dessa musica tatuado no braço.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Fico feliz que tenha gostado! Eita que massa, se puder envia pra gente pela aba contato que se for legal posto no insta do blog Abraços!

      Excluir
  4. acho essa cançaõ visceral a analise é muito rasa

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Compreendendo Ateu Convicto. É uma visão geral que eu tenho, o que não quer dizer que seja a certa. Realmente é uma canção profunda, mas cada um de nós a enxerga como puder. Grande abraço.

      Excluir

Tecnologia do Blogger.