DESGESSINGERIANDO: NA VEIA - ENGENHEIROS DO HAWAII



Nesta música nosso homem (vamos classificar o personagem assim) aparenta estar passando por um momento de descobertas do seu verdadeiro eu. Penso essa música como um autodesabafo. Supõe-se que após algum tempo de o fim de um relacionamento, o nosso personagem descreva o momento atual de sua vida de uma maneira que é como se ele estivesse falando para a mulher que antes era sua parceira.

Se você perguntar por mim, vão dizer que eu ando muito estranho, vão dizer que eu ando por aí, quando você perguntar por mim

Acredito que esse relacionamento mexeu forte com os seus sentimentos e após um suposto término, seu estilo de vida foi envolvido por todo o remorso criado posteriormente a tal fato. É comum isso acontecer quando se amou verdadeiramente alguém. Não da pra esquecer! Os sonhos, as músicas, os textos de amor, momentos que despertam lembranças e que podem vir a interferir no comportamento de vida de uma pessoa.

Quando se está atormentado por algum problema, é quase impossível esconder a aflição diante das pessoas mais íntimas do cotidiano. Isso logo vai gerar questionamentos, dúvidas e em seguida a pergunta que eu tenho certeza que todo mundo já ouviu: Nossa você tá tão estranho, o que está acontecendo?

Levando para o contexto da música, as lembranças de um amor que não se esqueceu surgem de forma intensa e é muito complicado manter-se firme. Normalmente não da pra ocultar o sentimento de angústia diante daqueles que te conhecem bem. O indivíduo muitas vezes sente-se vago e em um conflito interno que é norteado pela busca de um novo sentido para o momento atual de seu viver.

Se você perguntar por mim vão dizer as coisas mais estranhas

Parece-me nítido o sentimento de saudade para com um relacionamento que ainda ecoa na memória do personagem. Podemos supor que diante tal premissa, ele esteja buscando um novo estilo de vida, que o faça suprir a necessidade de um novo amor (para poder esquecer o antigo), e isso acaba gerando comentários acerca de suas atitudes.

Para ilustrar de forma prática o que eu digo, vou me usar como exemplo, já que passei por situação semelhante. Uns anos atrás quando terminei pela primeira vez com uma moça que eu tinha um relacionamento sério, decidi esquecê-la buscando prazer em mulheres de uma noite. Em coisas que iam de encontro à ideologia moral que eu sempre preguei, ou seja, isso mudou o meu comportamento. Algumas pessoas estranhavam a mudança e se questionavam, e me questionavam o que estava acontecendo. Acredito que essa parte da letra do Humberto esteja retratando algum momento vivido pelo personagem, que em parte se assemelha com o caso que aconteceu comigo.

Nenhuma resposta vai satisfazer, quando você perguntar por mim, Vem! Ver com os próprios olhos !Vem! Ver a vida como ela é

Bom, aqui nosso amigo estaria dizendo que nada do que disserem acerca dele, será uma verdade absoluta, pois só ele mesmo entende o que está passando em seu coração. Não adianta ela querer saber dele, se ela não for pessoalmente conferir.

Obs. 01: Certa vez li em uma entrevista do Humberto uma resposta que ele escreveu para a pergunta: Que história é essa do amor ao tênis? Tu nunca pensaste em ser tenista, não? Na resposta ele falava um pouco do amor pelo jogo e tal, mas em uma parte ele fazia uma analogia com a vida e dizia que Até O Fim e Na Veia eram as músicas que ele escutava ao jogar. Gostei muito na parte que ele implicitamente explicava um pouco da relação dessas duas músicas com o jogo e com a vida. Confiram e tirem suas próprias conclusões:

“[...] E é extremamente frustrante jogar tênis, como a vida é extremamente frustrante. Tênis é um esporte derrotado, porque pra 64 que jogaram um só ganha, e a vida é meio assim. Tu tem que descobrir um prazer na vida, sem ser o da vitória, descobrir pequenas vitórias, se satisfazer contigo mesmo. Tu não joga contra o adversário, tu joga contra ti mesmo, e a vida é assim. Quando tu vê alguém reclamando muito da vida, é que o cara não descobriu que ele tá jogando contra si mesmo”.

Se você está mesmo a fim de saber por onde eu ando, de saber por quê eu ando assim, é melhor nem perguntar por mim

Não se pode entender a dor de alguém se baseando em especulações sobre esse indivíduo em questão. Aqui vem a tona aquele conflito interno que eu citei antes. Hora ele deseja muito que ela o procure, no entanto em determinados momentos cai a ficha de sentimentos que levaram a o possível fim do relacionamento, então ele tenta criar uma barreira que possa o fazer esquecer ela. É algo bem complexo, que só quem viveu situação semelhante sabe como são ruins esses conflitos próprios.

Por conta de um relacionamento, de uma paixão por essa mulher, é que ele se encontra nesse estado, portanto, se ela realmente pensa em procurar ele, vá sabendo que ele só está assim por conta de ações que ela está envolvida. Sendo assim, se ela não está disposta há um verdadeiro diálogo, a encarar a vida como realmente ela é, é melhor nem o procurar, nem perguntar por ele.

Sem filtro, na veia, Sem filtro, na veia

Segundo um depoimento do próprio Humberto, na qual li em outra entrevista, Sem filtro significa: Sem mediação, direto. Sem distorções.

Acredito que ele queira dizer que para os problemas dos mais diversos serem resolvidos, as pessoas devem buscar caminhos que as guiem ao encontro do conhecimento que elas buscam. Devem evitar especulações sem sentido, coisas desnecessárias que desviam o rumo da verdade.

Mas você acha que nas letras do Humberto tudo é tão simples assim? Claro que não é!!!

Obs. 2: Creio que nesse trecho da música, o nosso amigo Gessinger deixa implícito uma analogia bem interessante. Para quem não conhece o termo “Filtro de Veia Cava”, é um dispositivo metálico que é colocado na veia cava, tendo como função filtrar os coágulos e impedi-los que cheguem aos pulmões. O filtro funciona então como uma prevenção da tromboembolia pulmonar. (clique no link e saiba mais).

Assim, Sem Filtro, Na Veia, seria meio que uma comparação com o procedimento médico Filtro de Veia Cava, que impede que os coágulos cheguem diretamente aos pulmões (ou seja, provoca uma distorção, um desvio da direção normal). Ele joga com o trocadilho entre: Sem Filtro, Na Veia (com vírgula) e Sem Filtro Na Veia (sem vírgula).

Comparem com os dois primeiros parágrafos da análise dessa estrofe e vejam como não sou doido, que essa comparação tem uma lógica.

!Vem! Ver com os próprios olhos !Vem! Ver a vida como ela é

[...]

Obs. 3: Curiosidade - Sem Filtro Na Veia é também o nome de um livro da escritora Ludmila Clio e da fotógrafa Natássya Carvalho. O livro teve sua primeira edição em 2012. A música dos Engenheiros é de 2003.

Segundo a autora, o livro Sem Filtro Na Veia “é dedicado àqueles que vivem intensamente, sem se poupar de nenhuma dor ou decepção, que sem filtro na veia, se jogam nos braços da dor e do amor... E do que mais a vida lhes proporcionar sentir!”.

Entrei em contato com a escritora  Ludmila Clio para saber se o titulo do seu livro sofreu alguma influência da música do Humberto. Sempre muito atenciosa e educada ela me respondeu através da sua página Copo de Letras na rede social Facebook. Deixo que vocês mesmo tirem suas conclusões. Qualquer semelhança pode não ser mera coincidência!!!


Nenhum comentário

Tecnologia do Blogger.