MADRUGANDO OS MORTOS


Por: Djane Assunção - @mestre_djane

Todos os dias estão se tornando madrugadas. Sinto o frio consumir o meu corpo enquanto me encolho no sofá rasgado na tentativa de me aquecer. O sonho de logo cedo ainda ecoa na cabeça, martelando as memórias, consumindo as minhas esperanças.

O coração se encontra mais frio do que o corpo gelado e trêmulo. Por que será que a cabeça insiste em buscar respostas para perguntas que nunca foram feitas? É triste ver o pensamento viajar entre anéis e latidos de cães. A Freud... Bendita seja a sua insistência em ter paciência.

Pior do que os dentes batendo na boca são os pensamentos mastigando retalhos de noites quentes, destroçando minuciosamente o som das vozes de prazer.

Acho que eu não deveria ter tomado aquele delicioso café, seu sabor momentâneo não está compensando o corpo excitado de tédio. Agora o gosto saboroso me parece mais amargo que romã.

Não conseguir adormecer se torna uma boa coisa, na medida em que encharcado de lucidez se pode fugir das agonias do que já foi real. Passar noites dormindo sob cabelos negros e acordando com cefaleias nauseantes está sendo torturador. As dores de cabeça são os mínimos dos desconfortos. Complicado é olhar o espelho do banheiro e enxergar meu reflexo com a forma de outra pessoa, um novo homem que foi obrigado a habitar um corpo em paz. 

A barba está mal feita, as unhas mal lixadas e sobrancelhas parecem possuir vida própria. A... Semana que vem eu me lembro de cuidar do meu corpo magro, apagado, invisível. Bom mesmo seria se pudéssemos cortar os pensamentos, lixar as memórias, arrancar as lembranças. Copos de bebidas, jogos de vídeo game, mulheres padronizadas, nada disso consegue alugar a minha atenção.

Por que alguém escolheria Anitta ao invés de Frejat? Difícil entender a moda do momento. Sendo assim, é melhor levantar do sofá e trocar de estação. Não foi a mais feliz das escolhas, justo quando volto a me encaixar no comprimento do pequeno móvel, a voz fanha e entusiasmada dispara um pedido de Raça Negra. Não que eu esteja reclamando do som da banda, mas é que suas canções fazem o frio parecer doce e a realidade cada vez mais tentadora. Todavia, uma hora será necessário me entregar a um mundo em que para muitos é a fuga do sofrimento cotidiano, no entanto, para mim é a angústia de perguntas que eu nunca tive coragem de fazer.

Música indicada para este texto: Boa sorte - Raça Negra

Nenhum comentário

Tecnologia do Blogger.